10 recomendações para quem quer montar uma loja virtual

10 dicas para quem quer abrir um negócio na internet. Conhecimento, estratégias de marketing, logística, formas de pagamentos e outras dicas úteis. Um checklist importante para ser levado a sério antes de começar a vender online.

O comércio eletrônico é uma alternativa viável para muitas empresas. Comodidade, baixo custo operacional, novos mercados, entre outros atrativos, têm despertado a atenção de empreendedores de todos os ramos de atuação. Mas o que é preciso saber, antes de montar uma loja virtual? Veja as 10 recomendações que preparei com a finalidade de ajudá-lo a entender melhor este segmento.

1. Conhecimento do negócio

Conhecer bem o negócio que pretende explorar é uma regra geral, na internet isto não é diferente. As facilidades da internet as vezes atraem pessoas com pouco conhecimento daquilo que pretendem explorar e o resultado pode não ser o esperado, afinal, a internet é apenas o meio e não o negócio em si.

Então, caso você não domine bem a área em que deseja atuar, a melhor alternativa antes de começar com a loja é aprender mais sobre o negócio. Você pode fazer isso através de:

  • Cursos livres ou profissionalizantes
  • Cursos técnicos
  • Cursos superiores
  • Contratar uma consultoria especializada no assunto
  • Associar-se com pessoas que conheçam bem aquela área
  • Dentre outros.

2. Domínio ou endereço da loja

O nome ou domínio do site é muito importante. Usar domínios de difícil fixação pode corresponder a criar uma loja física em uma rua de difícil acesso. Ora, se em uma loja física o ponto ou o posicionamento geográfico dela é fundamental para o sucesso do negócio, na internet também.

É verdade que é comum as pessoas procurarem no Google e não necessariamente digitar o endereço do site, mas ainda assim, é preciso pensar no longo prazo e com o tempo espera-se que o site site fique mais popular, podendo assim ser acessado diretamente.

Desta forma evite:

  • Nome complexos e de difíceis fixação
  • Nomes muito extensos
  • Nomes compostos, exceto por duas palavras. Mas tenha cuidado com um nome como: "minhalojavirtualdesapatos".
  • Estrangeirismos, exceto quando o nome escolhido representar bem o segmento em que deseja atuar.

3. Estratégias de marketing

Um pensamento que não faz sentido é de que a internet vende sozinha. Isso não é verdade. Ter uma estratégia de marketing também é necessário. Cuidado com investimentos desnecessários em mídia off-line (rádio, jornal, TV, revista, etc). Com metade dos valores gastos em mídia offline é possível fazer excelentes campanhas online que trarão muito mais resultados.

Campanhas online ou o chamado marketing digital são estratégias na própria internet que proporciona interações outras pessoas nas redes sociais, sites parceiros, e-mail, dentre outros. Dentre as várias opções, destaco:

  • Links patrocinados no Google. Isto é extensivo a sites parceiros do Google que também exigem anúncios deles
  • Anúncios no Facebook, o que inclui também o Instagram, Facebook Messenger e muito provavelmente em um futuro não muito distante, no WhatsApp.
  • Criar contas comerciais nas principais redes sociais e produzir conteúdo de qualidade relacionado com a sua loja, com a finalidade de gerar engajamento e levar as pessoas a conhecer seus produtos.
  • Campanhas de e-mail marketing, desde que você tenha captado em seu site a lkista de e-mails (não use listas compradas).
  • Dentre outros

4. Logística

Vender é preciso, saber como o produto irá chegar até o cliente também. A logística é parte fundamental na elaboração de um projeto de loja virtual. Correios, transportadora, entrega própria, qual a opção que melhor atenderá seu cliente a um custo viável?

Há basicamente três alternativas:

  • Correios. É a forma mais tradicional e simples, uma vez que ele atende todo o Brasil.
  • Transportadoras. É uma alternativa viável, com custos acessíveis e boa cobertura nacional.
  • Entrega própria. É viável apenas para negócios locais, onde sua loja pretende atender sua cidade, bairro ou no máximo sua região.

5. Formas de Pagamento

O pagamento é um problema a ser analisado com cuidado. Temos várias opções de implementação de formas de pagamentos em lojas virtuais, mas cada uma delas tem suas características e valores distintos. PagSeguro do UOL, Pagamento Digital do MercadoPago, Paypal e vários outros serviços de pagamentos digitais podem ser usados.

Os custos são altos e por isso é importante fazer uma boa consulta para encontrar um serviço de qualidade com um preço mais acessível.

6. Política de preços e descontos

Definir uma política de preço para a sua loja é uma dica importante. Se você já opera no mercado físico e  pretende dividir agora as vendas com a loja virtual, avalie como ficará a relação preço na loja física e na loja virtual. Em algumas consultorias que prestei, percebi que havia muita confusão com preços, descontos e etc. A política de preço nem sempre era clara. Isto não é bom, o cliente terá dificuldades para entender quanto ele estará realmente pagando pelo produto.

7. Gestão de conteúdo

Cadastrar e manter produtos, escrever textos de ajuda, entre outros é um trabalho conhecido como gestão de conteúdo. A veja isso como um segundo plano, isto é um trabalho que exige competência e dedicação. Escreva coisas claras e explique bem as características do produto. Uma boa dica para isso é escrever em forma de tópicos, assim a leitura ficará mais agradável.

Criar a loja virtual e cadastrar os produtos é apenas o começo do trabalho. Especialmente para lojas novas é preciso produzir conteúdo de qualidade para atrair pessoas à sua loja e assim conhecer seus produtos.

Isto deve ser feito em conjunto com as estratégias relacionadas no item 3.

Dica: Uma boa estratégia é criar um blog associado com a loja, produzir bastante conteúdo nele e com isso atrair pessoas até lá, onde você você poderá relacionar os seus produtos.

8. Atendimento e feedback

É um engano pensar que o usuário irá entrar na loja, fazer a compra, pagar e ficar esperando o produto chegar. Deveria ser assim, pode ser que em muitos casos seja assim, mas na prática sabemos que muitas vendas online só se concretizam com um suporte ou acompanhamento da loja. Muitos desistem no meio do caminho e aí você tem que fazer o corpo-a-corpo para concretizar aquela venda.

Na hora de criar a loja ou selecionar a ferramenta pronta (veja abaixo), verifique quais opções a ferramenta oferece para monitoramento do chamado abandono do carrinho e outras ferramentas que ajudem a identificar eventuais problemas durante a compra.

9. Loja pronta x loja personalizada

A opção por comprar uma loja pronta ou personalizar o desenvolvimento é uma decisão que precisa ser medida de acordo com o bolso e real necessidade. Uma loja pronta é o melhor caminho para quem está iniciando, pois além de ser mais barata, já conta com os principais recursos necessários para fazer a venda online.

Uma opção de loja personalizada deve ser considerada para casos onde as ferramentas prontas não atendem, bem como para projetos maiores onde a necessidade de fazer personalizações sejam um diferencial para o negócio.

10. Consultoria em vendas online

Se você acha que precisa de ajuda para projetar o seu negócio na internet, o ideal é buscar ajuda de um especialista no assunto. Pode ser que uma consultoria possa até fazê-lo desistir de criar uma loja virtual, mas poderá ajudá-lo naquilo que muitos ignoram para seu próprio fracasso: o planejamento.

COMPARTILHE: Facebook Twitter WhatsApp


VEJA TAMBÉM:

© 2021 - Utilidade Pública: Tecnologia, Educação e Cidadania.
Este site usa cookies e ao continuar navegando, você concorda com a política de privacidade.