Lâmpadas fluorescentes e incandescentes, qual consome mais energia elétrica?

As lâmpadas fluorescentes são mais econômicas que as incandescentes. Qual a diferença na taxa de consumo?

Home Cidadania

Lâmpadas fluorescentes e incandescentes, qual consome mais energia elétrica? Entrevista concedida ao Blog do Luis por Jorge Eduardo Schorr, técnico do Departamento de Utilização de Energia da Copel – Companhia Paranaense de Energia.

Lâmpadas incandescentes e fluorescentes

Blog do Luis: As lâmpadas fluorescentes são mais econômicas que as incandescentes. Qual a diferença na taxa de consumo?

Copel: As lâmpadas fluorescentes compactas disponíveis no mercado, que se adaptam perfeitamente no lugar das incandescentes comuns, consomem 4 vezes menos energia elétrica, em média, e chegam a durar até 8 vezes mais. A diferença básica é que a lâmpada fluorescente não produz calor (que é o princípio de funcionamento de uma lâmpada de filamento). Por isso, ela é chamada de “luz fria”.

Blog do Luis: Ligar e desligar lâmpadas com muita frequência pode queimar lâmpadas ou isso é mito?

Copel: Não é mito. Nas lâmpadas incandescentes existe um filamento metálico, que produz a luz, que é constituído de tungstênio. O processo de ligar e desligar provoca um gradativo enfraquecimento desse material que, ao final, termina por se romper. Nas lâmpadas fluorescentes acontece algo parecido: o material (normalmente mercúrio) vai se depositando próximo das bases, escurecendo-as.

Blog do Luis: As pequenas lâmpadas de stand by ou os relógios digitais de aparelhos como TV, DVD ou microondas geram consumo significativo de energia, visto que ficam ligados o tempo todo?

Copel: Por serem de tecnologia LED (iniciais de diodo emissor de luz), tais lâmpadas – sejam as de “stand by” ou o mostrador de um rádio relógio – apresentam um consumo pouco significativo. Equipamentos mais antigos, com mais de 5 anos de fabricação, podem consumir até 10 watts por hora só por estarem ligados em “stand by”. Já os equipamentos mais recentes consomem menos de 5 watts por hora, pois passou a existir uma norma técnica estabelecendo padrões sobre este quesito.

Clique Aqui para voltar ao índice da entrevista

Qual a diferença entre elas?

Veja abaixo um breve resumo de cada uma para entender melhor a tecnologia e o funcionamento de cada tipo de lâmpada elétrica:

Lâmpada incandescente

É o antigo modelo de lâmpada que foi usado por muito tempo e que atualmente está em desuso, pois há novas tecnologias que são mais eficientes no consumo de energia e na produção artificial de luz. Entre suas principais características, podemos destacar as seguintes:

Ela, quando encontrada, é mais barata que os demais modelos, normalmente gera bastante luz, ou seja, produz uma iluminação bem forte e esquenta muito. Este último item é uma das características que a torna uma grande consumidora de energia elétrica. Sem contar que ela tem uma vida útil bastante reduzida, sendo necessário a troca constante.

Lâmpada fluorescente

Veio para substituir as antigas incandescentes e é mais eficiente energeticamente, pois consome menos energia elétrica. Ela emite uma luz branca e pode ser encontrada em diversos modelos para comercialização. Apesar de ser mais cara que sua antecessora, tem um custo bastante acessível.

Ela tem como desvantagens o fato de ser poluente por ter mercúrio e fósforo, com isso se faz necessário o descarte correto dela após o uso. Mesmo sendo mais econômica, ainda consome muita energia elétrica se comparada com os modelos de LED, por exemplo.

Lâmpadas de LED

É o modelo mais atual e tende a ser o padrão de iluminação por ter muitas vantagens em relação aos modelos anteriores, especialmente por ter baixo consumo de energia elétrica.

Dentre as principais características das lâmpadas de LED, podemos destacar o fato de que ela é bastante econômica no consumo de energia, pois não emite calor e portanto é considerada uma lâmpada fria. A durabilidade é boa, ou seja, não queima fácil e pode ser encontrada em vários modelos como spots, lâmpadas, luminárias, entre outros.

Seu uso pode ser tanto para iluminação em si, como para efeitos de decoração, que é um dos seus pontos fortes.

O ponto fraco das lâmpadas de LED ainda é o seu custo, considerado alto se comparado com os demais modelos. Como ela gasta menos energia, torna-se justificável seu alto custo é a possível compensação com a longevidade de vida dela.

Outro ponto ainda ruim desses modelos é o fato dela gerar pouca luminosidade e portanto é preciso de mais lâmpadas para o mesmo efeito.

Gostou? Compartilhe



 

Leia também:



© 2008-2019 | Professor Digital | Política de Privacidade | Em Jesus Cristo eu confio