Tipos de chuva: granizo, frontais, garoa, pancadas de chuva e outros

Apesar de ser comum e bem conhecida, principalmente pela experiência, as chuvas não são iguais e há vários tipos que podem ser identificados como veremos no desenvolvimento do artigo

Home » Educação

A chuva é um fenômeno natural de importância singular para os seres vivos. Ela é responsável pelo reabastecimento da água no planeta e a água é fundamental para a manutenção da vida, seja ela humana, animal ou vegetal.

Sem chuva não a vida e em locais onde a incidência desse fenômeno é escassa, como nos desertos, a ocorrência da vida e rara, trabalhosa e para muitas espécies praticamente impossível.

Mas o que é a chuva?

A chuva ou precipitação atmosférica faz parte de um processo conhecido como ciclo da água que funciona, de maneira simplificada, da seguinte forma:

O sol é o responsável pelo aquecimento do planeta terra, e é do calor do sol que acontece a evaporação da água, especialmente dos oceanos, lagos e rios. A água que é evaporada sobe para atmosfera formando as nuvens, que na condição ideal esse vapor de água resfria e muda de estado, ou seja, de vapor para líquido, aí ocorre a precipitação que é a queda da água em forma de gotas e temos aí a chuva que conhecemos.

A água da chuva vai alimentar a terra, os lençóis freáticos, as nascentes e consequentemente os córregos, rios, lagos e boa parte dela volta para os oceanos. Desta forma o ciclo se repete e temos aí então o ciclo da água.

Mas existem diversos termos que usamos para identificar os tipos de chuvas em relação ao outro. Abaixo veremos alguns desses tipos e como pode ser feito esta classificação.

Tipos considerados neste artigo

[indice]

  • Tipos de precipitação:

    • Chuva
    • Neve
    • Granizo

  • Três tipos de chuvas:

    • Orográficas
    • Frontais
    • Convectivas ou de convecção

  • Outros termos para chuva:

    • Chuva de verão
    • Garoa
    • Chuva congelada
    • Chuva congelante
    • Chuva de vento
    • Tempestade

[fim-indice]

Tipos de precipitação

Quando falamos de chuva, estamos falando de precipitação que é a queda de água das nuvens para a terra e neste sentido há três formas de precipitação: chuva, neve e granizo. Veremos abaixo um resumo de cada uma delas.

Chuva

A chuva como nós a conhecemos é um dos tipos de precipitação que acontece na natureza. Nesse sentido entendemos que a chuva e a queda de água na sua forma líquida e portanto ela difere dos outros tipos como a neve e o granizo. A água da chuva é conhecida como águas pluviais, diferente de fluviais que são as águas nos rios e lagos, por exemplo.

É a forma mais comum de precipitação em todo planeta, no Brasil ela é quase predominante, uma vez que os eventos de chuva de granizo e neve são bastante raros, especialmente este último.

Neve

A neve é outra forma de precipitação nesse caso é a queda de flocos de gelo da atmosfera para a terra. Ela acontece de maneira abundante em regiões próximas aos polos, seja do Norte ou ao do Sul. Quanto mais próximo aos polos, mas chances da sua ocorrência.

A ocorrência de neve ocorre quando o vapor de água nas nuvens condensa, formando cristais de gelo, esses cristais se juntam e formam os flocos que caem, formando aí a neve que conhecemos [2]. Ou seja, é gelo do começo ao fim do processo, diferentemente da chuva onde o vapor condensa e forma gotas de água.

Embora exista registros de queda de neve em vários estados do Brasil, ela é um evento bastante raro e acontece em alguns anos, especialmente nas regiões serranas de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Granizo

A queda de granizo ou chuva de pedra como é conhecido popularmente, é outra forma de precipitação. Ela acontece quando em função da muita unidade do ar e forte calor, formam as nuvens de temporais ou aquelas nuvens carregadas, como as vezes chamamos.

Nessas nuvens que tem uma formação vertical com alguns quilômetros de extensão, o valor de água é empurrado para o interior da nuvem pelas fortes correntes de ar. Na medida em que ele sobe encontra temperaturas abaixo de zero e congela formando as pedrinhas de gelo, que por sua vez ficam pesadas e caem. Ao cair, nas partes mais baixas da nuvem elas encontram mais cristais de gelo e ganham mais massa, as correntes de ar empurram novamente para cima e ao resfriar caem novamente. Este ciclo pode se repetir algumas vezes e quanto maior a repetição, maior tende a ficar as pedras de gelo, que em dado momento ficam pesadas de mais e caem para a terra, este é o granizo que conhecemos.

Há um vídeo da Climatempo com uma boa explicação, ilustrando como este processo ocorre no interior da nuvem. [3]

Três tipos de chuvas

Do ponto de vista da geografia, há três tipos de chuvas: orográficas, frontais e convectivas. Abaixo veremos um resumo de cada uma delas.

Orográficas

Também conhecidas como chuva de pé de serra e são características de determinadas regiões apenas. Para que ocorra a chuva é necessário que a temperatura do vapor de água contido nas nuvens seja suficientemente baixa para que ocorra a mudança de estado do vapor e assim ele possa precipitar ou cair.

Então quando um conjunto de nuvens que está em uma altitude baixa encontra em seu caminho uma montanha, o natural é essas nuvens subir para tentar contornar o relevo acidentado. Ao subir as nuvens encontrarão temperaturas mais baixa e aí está a condição ideal para a precipitação.

Desta forma, este tipo de chuva ocorre com frequência em regiões de serra ou montanha. As monções na Índia talvez seja o melhor exemplo deste tipo de chuva. [1]

Frontais

As chuvas frontais são muito comuns no Brasil, especialmente nas regiões sul, sudeste e centro-oeste. Basicamente elas ocorrem quando duas massas de ar, uma quente e outra fria, se chocam. Quando isso acontece, a massa de ar fria é mais densa e portanto é empurrada para baixo, já a massa de ar quente é mais leve e empurrada para cima. Ao subir, se esta massa de ar quente tiver umidade o suficiente, ocorre a chuva, pois já vimos aqui que o vapor de água ou a umidade precisa subir para que seja resfriada e assim precipite em forma de chuva. [1]

Então sempre que houver o choque entre essas duas massas de ar, a consequência mais natural é o surgimento da chuva que chamamos de frontal. A intensidade da chuva, bem como a persistência dela, dependerá muito da quantidade de umidade do ar.

Se você, como eu mora na região sudeste do Brasil, já deve ter cansado de ouvir falar sobre as frentes frias. Pois é, a frente fria é na verdade o ponto que marca a chegada de uma massa de ar fria, que no nosso caso vem do sul para norte e quando ela passa por ai geralmente ocorre muito calor no dia que antecede a sua chegada, vento e chuva com a sua passagem e geralmente frio ou uma temperatura mais amena depois.

Convectivas ou de convecção

Também conhecidas como chuvas de verão por ser exatamente nesta estação do ano a sua maior incidência, este tipo de chuva ocorre pela alta evaporação da umidade em função do calor que é típico nesta estação, este é o movimento da convecção e daí vem o nome deste tipo de chuva. A convecção explica como o calor se movimenta que de certa forma pode ser resumido que tudo que é mais quente é menos denso e tende a subir e tudo que é mais frio é mais denso e tende a descer. [1]

Quanto mais umidade no ar, mais nuvens podem se formar e essas grandes formações de nuvens aliadas ao calor vai provocar as pancadas de chuvas, como também são conhecidas.

As pancadas de chuvas ocorrem com mais frequência no final da tarde ou no início da noite aproveitando exatamente a umidade que foi evaporada ao longo do dia. Elas costumam ser de forte intensidade, mas as vezes são irregulares, isto é, chove em um lugar e não em outro bem próximo.

Apesar de serem chuvas geralmente curtas elas podem causar transtornos, especialmente nas grandes cidades com alagamentos, mas são importantes para a agricultura e para encher rios e lagos que são usados para o abastecimento da população, bem como para fornecer água para os animais e plantas.

Outros termos para chuva

Apesar da classificação acima ser bastante precisa, existem outros termos que usamos para designar alguns tipos de chuvas quando eles acontecem de maneira mais específica, desta forma veremos esses termos e o seus respectivos significados.

Chuva de verão

É basicamente a chuva de convecção que explicamos acima, ou as chamadas pancadas de chuva. O termo chuva de verão é mais usado exatamente pois é nesse período do ano em que essas pancadas de chuvas são mais frequentes.

Garoa

É um tipo de chuva fina e geralmente persistente que também ocorre com mais frequência em algumas regiões. Elas podem ocorrer inclusive no outono e inverno e vir acompanhada de frio. Cidade de São Paulo é conhecida inclusive como terra da garoa, pelo fato de esse tipo de chuva acontecer com mais frequência na cidade.

Chuva congelada

A chuva congelada é um fenômeno bastante parecido com a neve, mas ela difere pelo fato de que neste caso, a neve encontra no caminho uma camada de ar mais quente, acima de 0 graus, então ela descongela, mas depois volta a congelar em contato com o ar mais frio abaixo e cai na terra em forma de gelo [2].

Chuva congelante

A chuva congelante também se assemelha muito com a neve e especialmente com a chuva congelada, visto acima. A diferença é que nesse caso o vapor de água condensa e cai como chuva, mas congela quando ela tem contato com a superfície que está muito fria [2].

Chuva de vento

Este é um tipo de chuva que vem acompanhado com ventos geralmente bem forte e costuma causar algum tipo de dano seja as estruturas prediais, como a queda de árvores, dentre outros. Esta chuva pode acontecer nos tipos de chuvas frontais, quando ocorre o choque entre uma massa de ar fria e outra quente, gerando uma certa agitação que resultará em muita ventania.

Tempestade

Tempestade é o termo que usamos para designar uma chuva de forte intensidade. Em alguns casos ela assume nomes próprios como furacão, tufão, ciclone ou tempestade tropical.

As tempestades são responsáveis por causar diversos danos em algumas regiões, como no Caribe e nos Estados Unidos. A passagem de uma tempestade muito forte pode causa muita devastação, como aconteceu com o furacão Katrina que devastou a cidade de New Orleans no sul dos Estados Unidos.

Fontes e referências

[1] Precipitações atmosféricas - episódio 24 - Geografia Popular em Spotify, acesso em 12 de fevereiro de 2021

[2] Saiba como a neve se forma em Climatempo, acesso em 11 de fevereiro de 2021

[3] Como se forma o granizo - Climatempo em Youtube, acesso em 12 de fevereiro de 2021


VEJA TAMBÉM:

CANAL NO YOUTUBE

INSCREVA-SE:



Sistemas Web

Playlist de SQL

Youtube Youtube Youtube
© 2021 - Utilidade Pública: Tecnologia, Educação e Cidadania.