Tipos de ciências ou conhecimento humano

Veja neste artigo os diversos tipos de conhecimento humano como a classificação em ciências formais e empíricas e ainda em ciências sociais e naturais como subdivisão da empírica.

Home Educação

O termo ciência é geralmente conhecido como conhecimento, ela é um norteador de praticamente tudo que fazemos, isto é, tudo requer conhecimento, seja ele formal ou simplesmente um conhecimento natural adquirido no dia a dia. O estudo da ciência tem várias classificações e neste artigo será adotada a classificação em ciências formais e empíricas.

Ciências formais

Conhecimento humano - Ciências Exatas

As ciências formais se dedicam aos estudos dos sistemas formais e tem como base símbolos ou regras. Entende-se que  a matemática seja um bom exemplo, mas não se limita a ela, podendo incluir também o campo da lógica muito empregada na ciência da computação e outros ramos, estatística, microeconomia, linguística, entre outros.

Ciências empíricas

As ciências empíricas por sua vez são aquelas que se dedicam aos estudos da natureza (ciências naturais) e ao comportamento humano (ciências sociais).

Ciências sociais

As ciências sociais é o conhecimento sobre o comportamento humano e do seu mundo enquanto indivíduo ou seu comportamento nos grupos humanos e na sociedade. Considera-se como sociais a Antropologia, Psicologia, Sociologia, Economia, Ciências Políticas, Comunicação, Geografia Humana, História e Linguística.

Ciências naturais

Ciências naturais

Já como naturais considera-se o conhecimento sobre a natureza e os eventos naturais. Neste caso não inclui o comportamento humano, mas os aspectos físicos do universo e a lei natural. Considera-se como naturais as áreas da Física, Astronomia, Biologia, Química, Geografia, Geologia, entre outras.

Conhecimento Humano segundo o CAPES

A Tabela de Áreas do Conhecimento da CAPES do Ministério da Educação com o apoio de outros órgãos propõe a seguinte divisão para os tipos de conhecimento:

1º nível - Grande Área: aglomeração de diversas áreas do conhecimento em virtude da afinidade de seus objetos, métodos cognitivos e recursos instrumentais refletindo contextos sóciopolíticos específicos.

2º nível - Área: conjunto de conhecimentos inter-relacionados, coletivamente construído, reunido segundo a natureza do objeto de investigação com finalidades de ensino, pesquisa e aplicações práticas.

3º nível - Subárea: segmentação da área do conhecimento estabelecida em função do objeto de estudo e de procedimentos metodológicos reconhecidos e amplamente utilizados.

4º nível - Especialidade: caracterização temática da atividade de pesquisa e ensino. Uma mesma especialidade pode ser enquadrada em diferentes grandes áreas, áreas e subáreas.

Veja aqui a tabela completa com os tipos de conhecimento por eles elaborados.

Outras formas

Conhecimento científico, filosófico, teológico e senso comum

Uma forma bastante usual de classificar o conhecimento é definido em científico, filosófico, teológico e senso comum ou conhecimento empírico.

O conhecimento científico é gerado pela nossa necessidade de conhecer, compreender a natureza e o universo. Sistemático, pois, não registra apenas os fatos mas também a busca das causas que os determinam. Objetivo, pois, não se submete a argumentos de autoridade, mas apenas à evidência e à comprovação dos fatos. Efêmero, pois, por não serem definidas, suas verdades estão sempre ameaçadas de serem questionadas por novas verdades.

Já o conhecimento filosófico é obtido pelo questionamento de nossa condição no universo. É abrangente, pois busca uma compreensão coerente da realidade, vista em sua totalidade. Não é verificável, pois, por serem incompatíveis com confirmação, seus postulados não podem ser refutados. É especulativo, pois, ao se basear na dedução que, por sua natureza, antecede à experiência prescinde de confirmação experimental.

O conhecimento teológico vem por respostas a questões aparentemente inexplicáveis. É dogmático, pois sua aceitação depende de atos de fé. Não é terreno, pois sua revelação não depende do homem, mas de Deus. É sistemático, pois explica a origem, o significado, a finalidade e o destino do mundo como obra divina.

Deus é a resposta última para todas as coisas, isto no contexto cristão, é claro. Assim, mesmo a ciência, a filosofia e o senso comum aparecem de certa forma como subcategorias, já que elas não tem o conhecimento em si, mas apenas a descoberta, seja lá por qual método, daquilo que foi feito por Deus.

O conhecimento teológico as vezes sofre críticas por não ter todas as respostas que as pessoas anseiam, mas quando bem entendido, fica claro que nunca foi desejo de Deus revelar todas as coisas ao homem, pelo contrário, esta limitação é inclusive parte do próprio conhecimento, uma vez que coloca o homem como dependente de Deus e com isso instiga-o a buscar na fonte aquilo que precisa.

Por fim, o conhecimento empírico é uma tentativa de compreensão dos seres e dos fenômenos da realidade. É subjetivo, pois é gerado a partir das experiências de cada sujeito. É superficial, pois, sem buscar as causas dos fenômenos/eventos, pauta-se na aparência. É efêmero, pois, ao ser transmitido de geração em geração, vai sendo continuamente modificado.

Você poderá aprofundar-se mais neste assunto através deste link sobre os tipos de conhecimento.

Dados, informações e conhecimento

Outra forma que poderíamos usar para fazer a classificação é através de uma gradação, isto é, partindo do princípio de dados, passando por informações e chegando em conhecimento.

Nesse sentido todo conhecimento parte da obtenção de dados, que aqui precisa ser entendido como a matéria prima ou os conteúdos essenciais de onde se pretende construir algum tipo de conhecimento.

Esses dados precisam ser refinados ou trabalhados de alguma forma com a finalidade de obter informações que normalmente são entendidas como dados trabalhados. Assim aquilo que inicialmente era apenas um conjunto de conteúdo, uma vez processados e refinado podemos extrair aquilo que se deseja transformar em informações que podem ser usadas para construir o próximo passo.

Esse próximo passo é exatamente o conhecimento que é obtido através da utilização correta das informações que foram extraídas dos conjuntos de dados iniciais.

Partindo deste princípio, o conhecimento pode ser construído e normalmente ele é muito utilizado no campo da ciência, mas de alguma forma também posso de ser utilizado nos outros campos em análises, respeitando as devidas limitações que cada um oferece.

 

Gostou? Compartilhe



 

Leia também:


© 2008-2019 | Professor Digital | Política de Privacidade | Em Jesus Cristo eu confio