Ainda existe pagamento com cheque?

Será que o uso do cheque como forma de pagamento está totalmente ultrapassado ou é possível em alguns cenários ainda usarmos o cheque para pagamento. Veja um exemplo interessante aqui.

A economia é muito dinâmica e as alterações em termos de ferramentas e funcionalidades envolvendo transações financeiras também mudam com bastante frequência.

Com as mudanças tecnológicas experimentadas nas últimas décadas, a economia muito se beneficiou disso, especialmente em promover formas de pagamento mais modernas, bem como melhorar a segurança nas transações.

Um bom exemplo disso é a mudança que houve entre o uso de cheques como forma de pagamento para os meios mais modernos como cartão de débito, cartão de crédito e mais recentemente ainda o PIX.

Forte no passado

No passado não muito distante o cheque foi uma forma de pagamento muito comum, tanto para transações envolvendo pessoas físicas, bem como para empresas.

O cheque, como todos sabem, é um documento que quando emitido confere ao portador ou a quem for destinado, o direito de ir até o banco para sacar o valor descriminado ali no cheque. Desta forma, ele funciona como uma ordem de pagamento.

O seu uso era relativamente prático e em muitos cenários ele se tornava uma espécie de moeda, já que as pessoas, passavam cheque para terceiros e assim por diante funcionando como uma moeda de pagamento uma vez que ele tinha um valor especificado nele.

Mas o cheque também tinha enormes problemas como fato de em alguns casos não ter saldo suficiente para pagá-lo quando ele era levado ao banco, o que causava problema para o detentor do documento, bem como para o emitente.

A devolução de cheque era algo bem comum e não apenas por motivo de falta de fundos para pagá-lo, havia também problemas de assinatura, rasuras, cheque sustado, dentre outros exemplos.

Ascenção do PIX

Os meios de pagamentos digitais já são relativamente antigos, como uso do cartão de crédito, cartão de débito e as modalidades de transferência bancária como o Ted, por exemplo.

Mas foi uma iniciativa mais recente que mudou definitivamente o cenário, trata-se do PIX.

Lançado em 2020 pelo Banco Central, o PIX tem como finalidade promover a transferência de dinheiro de uma conta bancária para outra conta usando uma chave de identificação.

O que tornou o PIX muito popular talvez seja a simplicidade da operação. Tudo que você precisa saber da outra pessoa é a chave, sem a necessidade de ter os dados bancários, número do CPF e outras informações.

Assim cada pessoa poderá criar chaves que pode ser o número do celular, e-mail, número do telefone, chave com números aleatórios e até um QR Code. Uma vez criado ele pode divulgar para as pessoas interessadas esta chave e essas utilizam para efetuar as transferências.

Outro ponto importante é que a transação acontece de forma imediata, ou seja, o dinheiro é creditado na conta da pessoa quase que instantaneamente. Sem contar que o seu uso é gratuito.

Desta forma o PIX praticamente elimina a necessidade do uso de cheques o que é uma iniciativa extremamente importante porque resolve alguns dos antigos problemas que o cheque tinha.

O caso do apartamento

Mas engana-se quem acha que o cheque está morto. Eu mesmo já não utilizava cheque a muitos anos até que recentemente fui surpreendido com uma situação bastante incomum.

Eu estava negociando a compra de um apartamento, como de fato fiz a compra e para minha surpresa a construtora exigiu que o pagamento fosse feito em cheque.

Como o pagamento não seria de uma única vez, eu precisava de deixar alguns cheques pré-datados para serem compensados nos meses seguintes de acordo com a negociação que havíamos feito. Era uma regra da construtora.

O problema é que eu não tinha mais folhas de cheque, pois de fato já tinha parado de usar cheque há muitos anos. Então provisoriamente usei alguns cheques que a minha esposa ainda tinha de um talão antigo dela e fiz a solicitação de um novo talão de cheque para ser trocado quando ele estivesse disponível.

É um caso interessante e pelo menos para mim, bastante incomum, o que mostra que em algumas situações pode ser que você ainda precise utilizar cheques.

Cheque ainda tem futuro?

Pensar que o cheque será usado extensivamente no futuro é algo bastante improvável, pensar que o seu uso vai desaparecer me parece improvável também, especialmente depois do fato que aconteceu comigo e que citei acima.

É possível que ele continue a existir e ser utilizado em situações pontuais, especialmente em casos como o que citei onde a pessoa que vai receber exige que o pagamento seja em cheque.

Mas o PIX veio para ficar e acredito que ele já seja o principal meio de pagamento e deverá se firmar ainda mais em função da facilidade, velocidade e segurança nas transações.

Já o cheque tanto no passado como no presente continua com os mesmos problemas, tanto para quem recebe como para quem emite. Desta forma o seu futuro deverá ser de uso pontual. É o que eu penso.

COMPARTILHE: Facebook Twitter WhatsApp


VEJA TAMBÉM:

© 2021 - Utilidade Pública: Tecnologia, Educação e Cidadania.
Este site usa cookies e ao continuar navegando, você concorda com a política de privacidade.