Quanto custa a recuperar HD com arquivos perdidos? Veja 2 casos

O que aprendi com a recuperação de 2 HDs, sendo um danificado e outro com arquivos apagados da lixeira? Apesar de traumática, foram boas experiências de aprendizado.

Quem nunca perdeu um arquivo no computador que atire a primeira pedra. Acredito que incidentes envolvendo perda de arquivos são bastante comuns, seja por falta de backup, arquivo corrompido, gravação defeituosa, cópias malfeitas, problemas físicos em HD e pen drive, dentre outros.

A lista de problemas envolvendo arquivos é grande e consequentemente a perda de muitos arquivos também é algo bastante recorrente para quem utiliza computador frequentemente.

Já tive alguns problemas envolvendo este assunto, mas, recentemente dois episódios foram bastante significativos e vou contar abaixo essas experiências, inclusive os orçamentos em empresas especializadas para a recuperação desses arquivos.

HD externo

Primeiro HD

A primeira dessas histórias envolveu um HD do meu computador de trabalho. No ano passado resolvi fazer um upgrade na minha máquina, substituindo placa mãe, memória e processador.

Eu utilizava dois HDs, sendo o principal deles um SSD com o sistema operacional e o segundo HD que eu utilizava como backup onde ficava os meus arquivos de trabalho e muitos arquivos pessoais.

Eu fazia backup com certa frequência, mas com a correria do dia a dia e as inúmeras tarefas a realizar, acabei relaxando um pouco nessa questão do backup, portanto a última cópia que eu tinha não era muito recente.

Com a atualização dos demais itens de hardware o HD de backup começou apresentar lentidão e depois tornou-se inacessível.

Foi aí que precisei recorrer a uma empresa especializada em recuperação de discos rígidos. Como moro no interior de São Paulo, precisei recorrer a algumas dessas empresas na capital.

Tentei com duas, na primeira eu não aprovei o orçamento por se tratar de um valor muito alto e na segunda após tentativa de recuperação dos arquivos, concluiu-se que não era possível uma vez que o HD estava muito danificado.

Segundo HD

Mais recentemente tivemos um problema com um HD de um notebook. Meu filho fez o backup das pastas principais e depois apagou as pastas para liberar espaço para outras utilizações e obviamente apagou elas da lixeira também. Desinstalou programas e fez algumas mudanças pontuais.

Depois percebemos que o backup que ele havia feito, por alguma razão, estava defeituoso e muitos arquivos simplesmente não foram copiados como esperado. Havia pastas vazias e por ai vai.

A solução novamente era tentar recuperar os arquivos apagados da lixeira do notebook.

Primeiro tentei utilizando um programa de recuperação que é o Recoverit. Ele encontrou as pastas e os arquivos que haviam sido apagados, fiz a recuperação e depois percebi que boa parte dos arquivos recuperados simplesmente não abriam.

Foi aí que recorri novamente a essas empresas em São Paulo para tentar recuperar os arquivos apagados. Como a situação agora era diferente e o HD estava bom, imaginei que poderia ter uma taxa de sucesso maior. Afinal eles têm equipamentos, softwares e técnicas um pouco mais avançadas do eu.

Fui em duas delas. A primeira fez uma análise e concluiu que não era possível recuperar, alegando que havia gravação de arquivos sobrepostos. A segunda se propôs a fazer a recuperação, mas sem garantia de que isso seria possível ou se recuperaria todos os arquivos, provavelmente pelo mesmo problema de sobreposição de gravação.

Sem contar que o orçamento que ele passou eu achei um pouco alto para um serviço que não apresentaria garantia.

Vou falar sobre os orçamentos um pouco mais abaixo.

Algumas conclusões

Com essas duas histórias em mentes, podemos aprender algumas coisas importantes sobre o uso de arquivos, perda e o processo de recuperação.

1 - Nem todos os HDs e arquivos podem ser recuperados

Como pode ser lido nas histórias acima, pelo menos no meu caso eu não obtive sucesso na recuperação de arquivos quer seja por tentativa própria ou através de empresas especializadas.

Isso deve acender um alerta para que tenhamos um pouco mais de cuidado com o manuseio de arquivos visando evitar esta situação.

Contudo existe sim uma taxa de sucesso relativamente alta na recuperação de arquivos danificados ou apagados da lixeira, mas alguns critérios são necessários para que essa taxa de sucesso ocorra.

2 - A gravação de novos arquivos atrapalha a recuperação

Salvo nos casos de defeito físico no HD, creio que um dos critérios mais importantes seja o fato de não haver sobreposição de gravação de arquivos.

Explico: quando você apaga um arquivo no seu disco rígido, na verdade ele continuará existindo e talvez o que o sistema faça é “mudar o status dele para apagado”. Assim ele continuará usando um determinado espaço no disco. Este espaço que ele ainda usa não é contado quando você olha espaço disponível e usado no seu HD, afinal ele foi “apagado”.

Quando você salvar novos arquivos, o sistema irá verificar que embora exista um arquivo gravado ali ele está com status de apagado e portanto ele pode utilizar esse espaço para fazer a sobreposição (gravar em cima).

Quando isso acontece, aquele antigo arquivo de fato deixa de existir, seja parcialmente ou totalmente se todos os espaços que ele utilizava foi sobreposto.

Mas basta a sobreposição em pelo menos parte do espaço que ele utilizava para talvez inviabilizar a sua recuperação.

Desta forma quando você perde (apagado da lixeira, por exemplo) um arquivo e tomou consciência disso, a melhor coisa a fazer é não gravar mais nada antes de fazer a recuperação. Isso aumentará bastante a chance de sucesso de recuperação dos arquivos.

3 - Recuperar um HD pode custar caro

Não bastasse toda situação envolvendo a perda dos arquivos, outra dificuldade que tive em todo esse processo foi lidar com os altos custos envolvendo a recuperação.

No primeiro caso que citei acima eu tive dois orçamentos, sendo:

  • R$ 880,00 de entrada (sem devolução em caso de insucesso na recuperação) + R$ 1.260,00 (a ser pago se houvesse sucesso na recuperação).

Orçamento em novembro de 2021

  • No segundo caso, conforme expliquei acima, a primeira empresa sequer quis fazer o serviço e a segunda passou um orçamento de R$ 600,00 para tentar fazer a recuperação. Como se tratava de um serviço sem garantia, achei que não valeria a pena.

Mas enquanto eu aguardava na recepção, percebi a movimentação ali e notei que uma pessoa que estava na minha frente recebeu um orçamento de R$ 1.500,00 para recuperar um HD. Não sei ao certo quais eram as condições do disco dele.

Uma segunda pessoa estava negociando o pagamento que salvo engano era de R$ 1.800,00 pela recuperação de um HD.

Para o meu orçamento, o atendente justificou que era um valor baixo se comparado a outros casos e me mostrou inclusive uma planilha de orçamentos que ele havia feito onde pelo rápido olhar que tive na tela, deu para perceber que eram valores acima de R$ 1.000,00

Orçamento em março de 2022

4 - Fazer backup de maneira correta ainda é a melhor alternativa

Com tudo isso aprendemos que fazer um backup de maneira correta é a melhor alternativa para lidar com arquivos e assim evitar toda essa dor de cabeça.

Eu adotei a seguinte estratégia de backup de arquivos e fica aqui como dica caso você queira fazer o mesmo.

Primeiro eu tenho uma conta Premium no OneDrive (serviço de armazenamento na nuvem. Um HD virtual), isto porque tenho a assinatura do Office 365 que é o pacote da Microsoft que envolve o Word, Excel e PowerPoint.

Com essa assinatura eu tenho 1 GB de espaço de armazenamento no OneDrive, que para mim é mais do que suficiente para guardar os meus arquivos.

Se você instalar o aplicativo do OneDrive no seu PC/notebook, ele cria uma pasta local onde espelha os arquivos que estão armazenados na nuvem. Assim, sempre que quiser mandar um novo arquivo para a nuvem, basta copiar para esta pasta no seu HD local.

Para automatizar esse processo, estou utilizando um software que é o Iperius (a versão gratuita, inclusive) e com ele eu faço agendamento para ele copiar uma vez por dia, as pastas que eu especificar para dentro desta pasta do OneDrive. Feito isso o App do Ondrive manda para a nuvem.

O processo ficou bastante automatizado e funciona muito bem. Com isso espero evitar ter de passar novamente por todos esses problemas com perda de arquivos que tive e que foi bastante danoso.

COMPARTILHE: Facebook Twitter WhatsApp


VEJA TAMBÉM:

© 2021 - Utilidade Pública: Tecnologia, Educação e Cidadania.
Este site usa cookies e ao continuar navegando, você concorda com a política de privacidade.